A festa do TRI

As imagens da festa

 Por Andre Peixoto

Como nossos leitores já devem ter visto, ficamos sem um texto falando da noite mágica do dia 29 de novembro. Fatores extra-campo não me permitiram escrever, mas acho que a imagem postada foi auto explicativa.

Hoje irei postar imagens da festa. Imagens dos nossos colaboradores, leitores, corneteiros e torcedores Brasil afora. Gente que nos acompanharam nesse ano de 2017. Falamos sobre futebol. Às vezes concordamos, brigamos, discutimos, mas no fim todos nos abraçamos e choramos ontem com o time do Renato. Então vamos falar um pouco sobre ontem.

Renato estudou muito bem o time do Lanús. Deu um nó tático no técnico falador Jorge Almiron. Na linguagem dos entendidos, “espelhou” a marcação e liquidou com o bom e bem treinado time argentino. Aliás, desse time me servia o ótimo Lautaro Acosta. Jogador de lado de campo. Cairia como uma luva no lado esquerdo do Grêmio. Ontem todos foram bem. Não podemos dizer que jogador “x” esteve abaixo. O Brasil todo se rendeu ao bom futebol apresentado. E o mais importante disso tudo, no meu entendimento: ACABOU O SINPOF!!! Graças a Deus o pontinho fora, jogar fechadinho, reforçar a marcação e outras tantas denominações devem ser PROIBIDAS no Grêmio. Renato mostrou como um time grande joga fora de casa. Jogou marcando no campo do adversário, atacando, criando chances o tempo todo. O 2×1 ficou barato. Mas era uma final. Ficou de muito bom tamanho. Terei de falar de um jogador em especial: Arthur. Que jogador de futebol. Não me canso de falar o quanto é bonito ver esse guri jogar. Soberano do meio campo. Quando saiu por lesão o time sentiu. Mas ninguém mais tiraria aquele título do tricolor.

Parabéns a toda diretoria, comissão técnica e jogadores pela conquista. A alegria que eles proporcionaram aos gremistas no mundo todo não tem preço. Obrigado meu Grêmio! Graças a Deus eu pude acompanhar as 3 conquistas (83 eu tinha 8 anos mas me lembro muito bem). A de 95 assistimos na rua com cerca de 20 amigos. Colocaram a TV na porta da casa, os sofás na calçada e cadeiras espalhadas. Ontem assisti em casa com minha filha de 4 anos e esposa. No final, assistindo a comemoração dos jogadores, minha filha me perguntou: pai, porque você está chorando? Respondi: o pai está muito feliz, filha…

Gremistas espalhados: Sarandi, Porto Alegre, Cachoeira, Campinas-SP, Florianópolis, Santa Maria, Ijuí, Asuncion-PY, Espumoso e outros que agora não lembro.

 

 

Grêmio não se cala!

Ao redor das quatros linhas

Por Simon Fahim Boustany Filho

patch-conmebol-libertadores-2017-D_NQ_NP_912266-MLB25687877213_062017-O

As redes sociais são infalíveis. Pouco falham e não esquecem nunca. O que estamos vendo dias após dia, notícia após notícia, de esquemas envolvendo a Conmebol e o Lanús é assustador. Para resumir, os caras podem e fazem tudo, e a Confederação aceita e até apóia. Vejo críticas à postura da diretoria do GRÊMIO, desde a manifestação do presidente Bolzan após o jogo, até a ida à Confederação prestar queixas. Críticas vindas principalmente da RBS (é a IVI fazendo seu papel).

Alto lá! Está absolutamente certo o GRÊMIO em fazer isso. Vai reclamar depois do jogo? Sem tentar nada? Deixar livre essa patifaria de árbitro de vídeo? Deixar o juiz auxiliar / político argentino e que fez sua campanha em cima dos clubes de bairro ser o árbitro assistente do jogo? Reclama antes, tenta condicionar, mostra inconformidade. Combate ao máximo estas anomalias que acontecem fora das 4 linhas, e depois entra em campo, com a maior “proteção” possível. Vale lembrar que os olhos do mundo estarão voltados à essa partida e isso tem que ser explorado.

E o futebol? Bom, o GRÊMIO é grande o suficiente para fazer as duas coisas. Agir nos bastidores e deixar a turma do futebol treinar, pensar no jogo, se preparar mentalmente para uma guerra. Para provocações, arbitragem ruim mas nunca esquecendo de jogar futebol. A derrota nos pênaltis contra o Cruzeiro esse ano foi uma lição e aquela postura jamais poderá se repetir.

É Libertadores. É final. Para o GRÊMIO as coisas nunca foram fáceis. É quase sempre assim. Então, não tem nada diferente do que já estamos acostumados.

Grêmio 1×0 Lanús

 

Sentimento de indignação

Por Andre Peixoto

greee

Cheguei no hotel em Carazinho não faz muito (sim, tenho que trabalhar hoje, óbvio), extremamente pilhado e indignado com a arbitragem do jogo. Desde os tempos de 1995, quando éramos roubados descaradamente, que eu não ficava tão revoltado. Mas antes vamos ao jogo.

No primeiro tempo o Grêmio não jogou nada. Se não fosse o Marcelo Grohe já estaríamos atrás no placar. As peças que Renato insistiu em manter novamente não deram certo. Ou melhor, nunca deram certo. Mas acredito que essa convicção do técnico não irá mudar, pois se Fernandinho está no time porque recompõe melhor, imagina na semana que vem, onde essa tarefa terá que ser mais marcante! Jaílson, no meu entendimento, não esteve tão mal. Mas é inferior a Michel, que toca melhor a bola, tem um bom passe e é melhor no jogo aéreo. No segundo tempo o jogo mudou a partir da entrada do Everton, que embora não tenha entrado tão bem com de costume, foi mais incisivo nas investidas pela esquerda. Depois entrou Jael e Cícero, que  foi o autor do gol aos 37 minutos. Poucas vezes vi a torcida berrar tanto como nesse gol. Participação decisiva de Jael. Exato, de Jael. Que já havia entrado bem no jogo anterior e novamente teve boa participação.

Agora a arbitragem. Tendenciosa. Nojenta. No meu entender fomos roubados descaradamente e dentro da nossa casa. Uma vergonha. Começando pelo cartão dado ao Kannemann. Ridículo. Ele sofre a falta, é empurrado e ainda por cima recebe o amarelo. Não tenho dúvidas que o juiz veio orientado a tirar o gringo da final. Por isso a indignação dele no final do jogo. E a profecia se concretiza e teremos Bressan na final. E os erros iam se acumulando. Faltas de cartão que ele não dava. Faltas para o Lanus que para o Grêmio ele mandava seguir. Até que o lance capital: pênalti em Jael. Incrivelmente ele não marcou. E pior: encerrou o jogo logo em seguida, antes do tempo que ele acrescentou, para não se complicar. Revendo o lance a gente vê que ele coloca o apito na boca. Frouxo. Teve medo de marcar. Enfim, foi um escândalo! Espero que a direção do Grêmio tome providências para o jogo da volta, pois sindo cheiro de armação no ar. Lanus é um grande time. Mas se tiver que ganhar, que seja na bola…

E por fim a torcida. Deu  um show. Apoiou do início ao fim. Foi um espetáculo a parte. Agora é na Argentina. Mas e quando alguma coisa foi fácil pro Grêmio?

O Tri Começa Hoje!

Que a Copa do Brasil de 2016 seja o espelho para reconquista da América

Por Marcos Bombassaro

0_WhatsApp Image 2017-11-18 at 10.13.24_l

O ano era 2016 o mês era setembro e todos nós gremistas estávamos conformados que passaríamos mais um ano sem título. Eis que o Palmeiras campeão brasileiro daquele ano e que tinha em campo Gabriel Jesus cruzou nosso caminho nas quartas de final da Copa do Brasil. Em Porto Alegre o Grêmio fez um baita jogo marcando dois gols e tomando um.

No jogo de volta em São Paulo levamos uma forte pressão do adversário e saímos perdendo e estávamos sendo eliminados da competição até que Everton, o “Cebolinha” entrou em campo e fez o gol de empate nos colocando na semifinal. Este foi o jogo mais difícil daquele campeonato e também o que deu confiança ao grupo do Grêmio para ser campeão.

Posteriormente fizemos dois jogos memoráveis em Belo Horizonte contra Cruzeiro e Atlético Mineiro. Os jogos de volta em Porto Alegre serviram apenas para cumprir o regulamento.

A correlação que faço é que este ano justamente quando estávamos já sem esperança após perder a vaga na Copa do Brasil e ver nossa direção e comissão técnica abandonar o Campeonato Brasileiro, que era perfeitamente possível de ser alcançado, eis que apareceu o Botafogo nas quartas de final da Libertadores da América. E assim como o Palmeiras na Copa do Brasil de 2016 foi o jogo mais difícil da temporada e o que tivemos o maior risco de sermos eliminados.

Foi difícil mais passamos e o time alinhou novamente. A confiança voltou e já contra o Barcelona de Guayaquil garantimos a classificação no jogo de ida e na casa do adversário. Na Arena tratamos apenas de segurar o resultado e não correr riscos, assim como fizemos o Cruzeiro na semifinal de 2016 da Copa do Brasil.

Penso que não seria demais pedir que a final desta Libertadores seja igual a com o Atlético Mineiro na Copa do Brasil de 2016, mesmo decidindo a última partida fora de casa. Basta abrirmos dois gols de vantagem aqui, o que não é nenhum absurdo.

No campo as coisas estão caminhando igualzinho a 2016. Também temíamos o Atlético Mineiro na final da Copa do Brasil de 2016, eles tinham o melhor elenco do Brasil e mesmo assim aplicamos um chocolate, um banho de futebol em boa parte do tempo com apenas 10 jogadores em campo.

Espero que os Deuses do futebol estejam nos reservando um final de ano semelhante a 2016 com exceção é claro da tragédia com a Chape e tenho convicção de que seremos o primeiro clube Gaúcho Tri Campeão da Libertadores da América.

O rei da estrada

A incrível “falta de sorte” do Grêmio na Federação Gaúcha de Futebol

Por Gustavo Medeiros

 

noveletto

Entra ano e sai ano, e é sempre a mesma história. O sorteio do campeonato estadual do Rio Grande do Sul traz sempre um beneficiado e sempre um prejudicado. O incrível é que sempre é o mesmo time beneficiado e sempre é o mesmo time prejudicado.
Adivinhe qual será o time, pela enésima vez consecutiva, que irá rodar mais quilômetros?

Adivinhe qual será o time que jogará mais partidas fora de casa?

Adivinhe quem jogará no calor de rachar no gramado sintético?

Adivinhe quem jogará Grenal dias antes de ter jogo da Libertadores?

Até parece manipulação, mas não vou acreditar nisso. Vou colocar na conta da falta de sorte mesmo, afinal, sabemos que a Federação Gaúcha de Futebol é legítima representante de todos seus filiados e nunca iria desrespeitar as normas e seu próprio estatuto. Especialmente em seu Artigo 31, que diz que o presidente e o vice não podem ser conselheiros de nenhum clube…

1ª rodada – 17/1
Inter x Veranópolis
São Luiz x Grêmio
Brasil-Pel x Juventude
Caxias x Novo Hamburgo
São Paulo-RG x Avenida
São José x Cruzeiro

2ª rodada – 21/1
Grêmio x Caxias
Novo Hamburgo x Inter
Juventude x SP
Cruzeiro x Brasil-Pel
Avenida x São Luiz
Veranópolis x São José

3ª rodada – 24/1
Avenida x Grêmio
Caxias x Inter
São Luiz x Juventude
São Paulo x Cruzeiro
São José x Novo Hamburgo
Brasil-Pel x Veranópolis

4ª rodada – 28/1
Inter x Avenida
São José x Grêmio
São Paulo-RG x Caxias
Juventude x NH
São Luiz x Brasil-Pel
Cruzeiro x Veranópolis

5ª rodada – 4/2
Grêmio x Cruzeiro
Brasil-Pel x Inter
Novo Hamburgo x São Paulo-RG
Veranópolis x São Luiz
Avenida x Juventude
Caxias x São José

6ª rodada – 10/2
Inter x Grêmio*
São Luiz x São José
Cruzeiro x Caxias
Juventude x Veranópolis
São Paulo-RG x Brasil-Pel
Avenida x Novo Hamburgo
* 11 de março

7ª rodada – 14/2
Grêmio x Brasil-Pel
Inter x Juventude
Novo Hamburgo x Cruzeiro
São Luiz x São Paulo-RG
São José x Avenida
Veranópolis x Caxias

8ª rodada – 18/2
Veranópolis x Grêmio
São Paulo-RG x Inter
Cruzeiro x Avenida
Novo Hamburgo x São Luiz
Caxias x Juventude
Brasil-Pel x São José

9ª rodada – 25/2
Inter x São Luiz
Grêmio x Novo Hamburgo
Juventude x Cruzeiro
Caxias x Brasil-Pel
São José x São Paulo-RG
Avenida x Veranópolis

10ª rodada – 4/3
Inter x São José
Juventude x Grêmio
Avenida x Caxias
São Luiz x Cruzeiro
Novo Hamburgo x Brasil-Pel
São Paulo-RG x Veranópolis

11ª rodada – 7/3
Grêmio x São Paulo-RG
Cruzeiro x Inter
São José x Juventude
Caxias x São Luiz
Brasil-Pel x Avenida
Veranópolis x Novo Hamburgo